sexta-feira, 3 de julho de 2020

Bares ignoram regras e passam do horário no 1° dia de reabertura no Rio; clientes se aglomeram e dispensam máscara

Bares ignoram regras e passam do horário no 1° dia de reabertura no Rio; clientes se aglomeram e dispensam máscara 

Foto: G1 Rio

A primeira noite com bares autorizados a reabrirem no Rio, nesta quinta-feira (2), foi repleta de desrespeito a regras de distanciamento contra a
Covid-19.

Imagens feitas durante a madrugada mostram que estabelecimentos desrespeitaram a regra de fechamento até as 23h, e funcionaram durante a madrugada desta sexta (3).
Na Rua Dias Ferreira, no Leblon, Zona Sul, tradicional reduto boêmio, muita gente se espremeu na calçada e até no asfalto. A maioria das pessoas não usava máscara, mesmo sem estar em sentado nas mesas, o que vai contra as regras de flexibilização.
Imagens postadas em redes sociais mostram a multidão na rua, especialmente no quarteirão que acaba na Avenida Ataulfo de Paiva e concentra muitos bares e restaurantes.
Em um dos vídeos, o homem que filma xinga da pandemia e o uso de máscara. Em outro, uma mulher debocha: "Hoje é dia 2 de julho, primeiro dia da liberação dos bares no Rio de Janeiro, a gente está aqui na Dias Ferreira, e está realmente todo mundo de máscara, olha...", diz, mostrando quase todos sem o utensílio obrigatório contra a proliferação do vírus.
Às 6h, as ruas do Leblon estavam vazias, mas havia lixo acumulado e garrafas e espalhadas pelas calçadas onde houve aglomeração de pessoas.
Na Avenida Ataulfo de Paixa, entre as ruas Rainha Guilhermina e Aristides Espinola, algumas pessoas permaneceram reunidas após o fechamento dos bares. Por volta da 0h30, ainda havia alguns grupos na calçada perto dos bares Jobi e Void, já fechados.
Já na Lapa, no Centro do Rio, a situação foi diferente. Nas imagens, é possível ver que não houve aglomeração nos bares, que respeitaram o horário de fechamento às 23h.
A Guarda Municipal atuou no local. Bares e restaurantes que desrespeitarem as regras pode ser multados em até R$ 13 mil.
Houve relatos também de aglomerações e desrespeito a regras em Copacabana, também na Zona Sul, e na Avenida Olegário Macial, na Barra da Tijuca, Zona Oeste.
Em nota, a Guarda Municipal informou que constatou muita aglomeração na Rua Dias Ferreira na noite de quinta-feira (2) e que todos os estabelecimentos orientados sobre a situação fecharam as portas.
Ainda segundo a Guarda, os estabelecimentos flagrados desrespeitando as normas sanitárias são notificados, multados e até interditados.
Regras para bares e restaurantes
-Mesas organizadas com distanciamento de dois metros entre elas, de preferência, em espaços abertos, como varandas e calçadas.
-No espaço interno, deve ser respeitado o limite de 50% do número total de mesas.
-Vedado o sistema self-service.
-Vedado música ao vivo.
-O horário máximo para o funcionamento é até as 23h, tanto nas áreas internas como externas.
-O uso de máscara é obrigatório tanto para clientes como para funcionários.
-A máscara só pode ser retirada pelos clientes que estiverem já nas mesas, e exclusivamente nos momentos de refeição.
-A liberação dos bares e restaurantes foi permitida nesta quinta-feira de acordo com a Fase 3 de flexibilização determinada pela prefeitura. Também foram liberadas academias e atividades físicas individuais na areia das praias.

Para a reabertura, prefeitura se apoia em índices como a redução da ocupação de hospitais e a diminuição do aumento do número de mortes causadas pelo novo coronavírus.
Nesta quinta, foram contabilizadas mais 134 óbitos no estado, chegando ao total de 10.332 mortos. A capital concentra a maior parte dos óbitos: 6.689.
Regulamentação de mesas e cadeiras
A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Fazenda, publicou no Diário Oficial desta quinta-feira uma resolução que disponibiliza modelos de autodeclarações que devem ser preenchidas pelos estabelecimentos que queiram utilizar mesas e cadeiras nas calçadas e em vagas de estacionamentos da cidade.
"Os bares, restaurantes e lanchonetes podem pedir a autorização tanto para o uso dos equipamentos nas calçadas, quanto para a utilização em vagas de estacionamentos e não há necessidade de o estabelecimento possuir em seu alvará a autorização para o uso de mesas e cadeiras. Essa é uma medida temporária", explicou Carlos Guerra, subsecretário da Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano.
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, não refletindo a opinião da equipe deste blog. Todos os comentários serão moderados pela direção deste blog, sendo que os mesmos deverão ser identificados para serem aceitos, seja qual for o seu teor.